quarta-feira, julho 30, 2008

Enveredando no mundo dos sabores...



Acho que toda mãe de primeira viagem fica um pouco encucada com essa nova etapa dos nossos pimpolhos. Eu por exemplo, apesar de toda explicação da pediatra e minha experiência na cozinha, fiquei a pensar: é assim mesmo? E a consistência? Mais líquido, mais pastoso? Aí eu falava com outras mães amigas e umas diziam: ah, a sopinha, ou a papinha. E agora Bial? Tem que ser sopa ou papa? Ai meus sais!!! Panela de ferro, inox, ágata?
Bem, primeiro a pediatra das minha meninas recomenda que se entre com a papa salgada antes da papa doce, (ao contrário da grande maioria que entra primeiro com as frutas), pois o bebê tende a ter menos rejeição da comida salgada sem conhecer o doce antes, pois este é muito mais fácil de aceitar. Segundo, nunca bater no liquidificador. É por o muque para trabalhar e passar na peneira para não perder nenhuma fibra, pois no liquidificador vira um suco. E na hora de servir, adicionar um fio de azeite extra virgem para dar um aporte calórico na comida.
Antes de tudo a recomendação do Ministério da Saúde: AMAMENTAÇÃO EXCLUSIVA ATÉ O SEXTO MÊS E PROLONGADA ATÉ PELO MENOS OS DOIS ANOS DE IDADE. Mas vamos convir que com licença maternidade de quatro meses é meio complicado manter uma amamentação exclusiva até o sexto mês. Eu entrei com as papas uma semana antes do seis meses, que foi quando eu voltei a trabalhar. E o leite eu fui tirando com a bombinha, fiz estoque no congelador e tirava mais duas vezes no serviço.
A primeira papa da Sofia foi feita no vapor . O que eu não aconselho, pois apesar de ser melhor para a gente pois não se perde nenhum nutriente do que quando se cozinha na água, a papa(ou sopa como desejar), fica muito seca. E imagina para um estômago virgem o que isso significa.
De acordo com recomendação da pediatra, a papa(ou sopa) do primeiro mês, deve ter pelo menos:

  • Uma raiz :batata, mandioquinha, cará, inhame, mandioca, batata doce, beterraba, cenoura...
  • Um fruto: chuchu, brócolis, couve-flor, repolho, abóbora, abobrinha...
  • Uma folha: alface, agrião, couve manteiga, folhas de beterraba, de cenoura...

Bem, isso é um exemplo, e as combinações a partir daí são infinitas.
A partir do sétimo mês, pode-se entrar com:

  • os grãos: arroz, feijão, grão de bico, lentilha, ervilha, cevadinha, quinua...

E no próximo mês entra a:

  • proteína animal, carne de vaca e galinha. Mais tarde, peixe.

Tem gente que entra com tudo de uma vez, tem gente que bate no liquificador, tem gente que entra com frutas primeiro e dá certo do mesmo jeito. Mas essa forma deu certo com a Sofia e estou repetindo com a Júlia. Hoje a Sofia come de tudo, e quando digo de tudo, até jiló e quiabo ela come. É lógico que se eu colocar jiló e pirulito na frente dela ela nem pestaneja de pegar o doce, mas eu fico feliz que ela tenha um paladar bem amplo e não recusa comida. Com essa introdução, espera-se que com um ano o bebê já coma a comida da família.

1 Comments:

  • At 5:03 PM, Blogger Anakoelho said…

    Q nenê mais fôfo,parabéns pra vc.
    Seu blog é mto bom!
    Felicidades pra vcs e ótima semana!


    Ana.

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home